Fluorita

A fluorita é um mineral halogeneto amplamente distribuído, composto principalmente por cálcio e flúor, com a ocasional contaminação de minerais de terras raras. Seus usos tem variado ao longo do tempo, nos últimos anos, por exemplo, tornando-se cada vez mais importante na indústria química. De fato seu nome tem a ver com seu comportamento quando lapidada (“fluir”, pois pode fundir durante o processo), que a diferencia de outros minerais parecidos.

ClassificaçãoHaletoFórmula QuímicaCaF2
Dureza4, mineral índice na escala de MohsBrilhoVítreo
CorCor amplamente variada, as mais comuns são verde-claro, amarelo, verde-azulado e purpúreo. Translúcido.ComposiçãoCa 51,3%, F 48,7%, alguns elementos de terras raras (Y e Ce) podem substituir o Ca.
CristalografiaIsométricoClasse4/m ¯3 2/m
HábitoCristais cúbicos ou octaédricos comumente geminados. Usualmente em cristais ou massas cliváveis; também maciça, grosso-granular ou fino-granular, ou colunar.ClivagemPerfeita em {111}
FraturaIrregular a subconchoidalDensidade relativa3,18
Propriedades ÓpticasIsotrópicoPropriedades DiagnósticasDureza, clivagem, brilho, alocromía e fluorescência.
AssociaçãoAssociada a muitos minerais diferentes como calcita, dolomita, gipso, celestina, barita, esfalerita, quartzo, topázio, galena, cassiterita, turmalina e apatita.OcorrênciaMineral comum e amplamente distribuído. Encontra-se em veios hidrotermais, como um mineral da ganga ou associado a mineiros de metais; em cavidades de dolomitos e calcários e, ocasionalmente, como mineral de menor importância em rochas magmáticas e pegmatitos.
UsosUsa-se na industria química e na fabricação do aço principalmente, também na manufatura de vidros, de fibra-de-vidro, de cerâmica, e de esmaltação. As vezes na ornamentação de vasos e pratos e, em menor medida para lentes e prismas de aparelhos óticos.Traço