Turmalina

O nome “turmalina” abrange um diverso grupo de borossilicatos de Na-Ca-Al-Mg-Fe-Mn. A rede cristalina da turmalina é, em geral, complexa e é uma consequência da interação dos diferentes grupos que interveem nas ligações. Uma forma de se-aproximar à compreensão desta é relacionar a posição relativa dos diferentes grupos e suas ligações: o primeiro bloco estrutural da turmalina são os anéis de seis tetraedros de sílica, que se dispõem como camadas (um anel sob o outro) com centro alternado de Na+ e (OH); o seguinte bloco, são camadas de triângulos de BO3 que se intercalam com as dos anéis de sílica. Os grupos octaédricos de (Li,Mg,Al)O4(OH)2 ligam estas camadas entre si formando colunas. A sua vez, finalmente, as colunas são ligadas pelo grupo (Al,Fe,Mn)O5(OH), formando a rede cristalina da turmalina. Nestas ligações, alem dos diferentes grupos presentes, é de destaque a variedade de substituições possíveis no arranjo que, pelo geral, ocorrem de forma acoplada para manter o balanço de cargas no mesmo. A estrutura neste grupo de silicatos é polar, o que gera as propriedades piro e piezoelétricas, visíveis também nas propriedades óticas dos cristais.

ClassificaçãoCiclossilicatosFórmula Química(Na,Ca)(Li,Mg,Al)3(Al,Fe,Mn)6(BO3)3(Si6O18)(OH)4
Dureza7 – 7,5BrilhoVítreo a resinoso
CorMuito variada, dependendo da composição.ComposiçãoGeral: XY3Al6(BO3)3(Si6O18)(OH)4. as variedades composicionais de X (Na,Ca) e Y (Al, Fe3+,Li,Mg) não modificam de forma significativa suas propriedades físicas, excetuando a cor.
CristalografiaHexagonalClasse3m
HábitoNormalmente em cristais prismáticos estriados na direção do comprimento. As vezes compactas ou maciças. Também em colunas grossas e finas, tanto radiadas como paralelas.ClivagemNão tem
FraturaConchoidalDensidade relativa3,0 – 3,25
Propriedades ÓpticasUniaxial negativo.Propriedades DiagnósticasReconhecida pela seção transversal triangular arredondada dos cristais. Também pela fratura e ausência de clivagem, e por serem estriados.
AssociaçãoAssociação com minerais comuns do pegmatito: microclínio, albita, quartzo e moscovita. Também em depósitos que contem altas quantidades de lítio com lepidolita, berilo, apatita, fluorita e minerais raros.OcorrênciaNos pegmatitos graníticos e nas rochas que circundam esses depósitos. Também como mineral acessório nas rochas ígneas e metamórficas (ganisses, xistos e calcários cristalinos).
UsosPrincipalmente como gema, mas também é usada na manufatura de medidores de pressão piezoelétricos.Traço