Biotita

Filossilicato trioctaédrico do grupo das micas, a biotita é um dos principais e mais comuns minerais formadores de rocha. Assim como muitos filossilicatos, apresenta uma grande variação composicional devido às várias substituições que ocorrem em seus vários sítios, da qual se destaca a de Mg2+ por Fe2+ nos sítios octaédricos, que distingui a biotita do extremo magnesiano de sua série: a flogopita. O nome é uma homenagem ao físico francês J. B. Biot.

ClassificaçãoFilossilicatoFórmula QuímicaK(Mg,Fe)3(AlSi3O10)(OH)2
Dureza2,5 – 3BrilhoReluzente
CorVerde escuro, castanho a preto.ComposiçãoSimilar à flogopita (KMg3(AlSi3O10)(OH)2), considera-se a existência de uma solução sólida completa entre as duas espécies. Ocorre a substituição de Mg2+ por Fe2+, Fe3+ e Ti e Al nos sítios octaédricos, de Al por Si nos sítios tetraédricos, de K por Na, Ca, Ba, Rb e Cs no sítio de cátion interlamelar. A substiução de Mg2+ por Fe2+ nos sítios octaédricos distingui a biotita da flogopita, extremo magnesiano da solução sólida.
CristalografiaMonoclínicoClasse2/m
HábitoMassas laminadas irregulares, em escamas disseminadas ou em agregados de escamas.ClivagemPerfeita {001}
FraturaDensidade relativa2,8 – 3,2
Propriedades ÓpticasBiaxial NegativoPropriedades DiagnósticasHábito micáceo e cor escura.
AssociaçãoSe bem é um mineral muito espalhado, quando ocorre por processos metamórficos pode-se relacionar à presença de muscovita e clorita.OcorrênciaA biotita ocorre nas mais variadas condições geológicas. Considera-se de ampla ocorrência nas rochas ígneas (em quase qualquer composição de magma original) e metamórficas.
UsosTraço