Pirrotita

A pirrotita é um exemplo de solução sólida por omissão, que é a responsável pela mudança na sua fórmula química. Os cátions presentes na substituição são íons de ferro em diferentes estados de valência. Todo isto resulta na modificação da estrutura cristalina do mineral, gerando polimorfos a diferentes temperaturas. O que faz a cristalização da pirrotita um indicador da temperatura de cristalização da rocha.

ClassificaçãoSulfetoFórmula QuímicaFe1-xS
Dureza4BrilhoMetálico
CorBronze pardacento.ComposiçãoSulfeto de ferro, Fe1-xS, com x entre 0 e 0,2.
CristalografiaMonoclínico para baixas temperaturas de formação (<250ºC), hexagonal para altas (400ºC-1190ºC)Classe2/m
HábitoCristais tabulares, ocasionalmente piramidais. Usualmente maciça com hábito granuloso ou lamelar. A forma dos cristal é um indicador da temperatura de formação.ClivagemNão tem
FraturaDensidade relativa4,58 – 4,65
Propriedades ÓpticasIsotrópicoPropriedades DiagnósticasMagnetismo (variável em intensidade), cor e hábito.
AssociaçãoAssociado com pentlandita, calcopirita e outros sulfetos nas rochas ígneas básicas.OcorrênciaConstituinte comum das rochas ígneas básicas, também presente nos depósitos metamórficos de contato, nos depósitos de filões e nos pegmatitos.
UsosExplorada pela associação ao níquel, o cobre, e o platino. Em algumas jazidas é considerado fonte de enxofre e mineiro de ferro.TraçoPreto